Começou nesta terça-feira (23/01) o Curso de Formação das(os) 40 novas(os) defensoras(es) do estado do Paraná
24/01/2023 - 16:52

Passada a emoção da posse na noite desta segunda-feira (23/01), começou na manhã de hoje (24/01) o Curso de Formação das(os) 40 novas(os) defensoras(es) do estado do Paraná. Durante 26 dias, elas(es) irão conhecer os diversos setores, projetos, núcleos especializados e sistemas operacionais da instituição paranaense.

De acordo com o defensor público diretor da Escola da Defensoria Pública do Estado do Paraná (EDEPAR), Leônio Araújo dos Santos Junior, responsável pela estruturação e realização do curso, a formação foi pensada para que as(os) novas(os) defensoras(es) conheçam o funcionamento da Defensoria e tenham uma uma visão “extremamente prática” do dia a dia da instituição. “Estão previstas diversas atividades práticas de diversos setores estratégicos e regulares da Defensoria. Então, eles vão passar pelo curso para ter esse conhecimento prévio [antes de começarem a atuar]. Evidentemente, o curso não esgota tudo o que eles precisam conhecer, só o dia a dia dará isso para eles, mas a ideia é que eles tenham de tudo um pouco, minimamente, para que consigam ir para suas comarcas e desenvolver suas atividades de atendimento à população de uma maneira satisfatória, de uma maneira que a população se orgulhe de receber a Defensoria em sua localidade”.

A abertura do curso contou com a presença do Defensor Público-Geral de São Paulo e presidente do Conselho Nacional das Defensoras e Defensores Públicos-Gerais (CONDEGE), Florisvaldo Antônio Fiorentino Júnior, que falou sobre o CONDEGE e a Defensoria Pública no atual cenário político brasileiro. Após a palestra, as novas(os) defensoras(es) foram apresentadas à Administração Superior da DPE-PR, momento em que o Defensor Público-Geral André Giamberardino, a 1ª Subdefensora Pública-Geral Olenka Links e Silva e o 2º Subdefensor Público-Geral Bruno Müller puderam falar sobre a história e os desafios da instituição. “Isso renova as nossas forças. Quando a gente vê a vitalidade, a energia com que as e os colegas novos chegam, a gente se lembra do porquê estamos aqui, de como é bonita a nossa carreira e da diferença que a gente pode fazer na vida das pessoas. Falar um pouco das atribuições da administração para os novos colegas é trazê-los para dentro da organização, para que eles já comecem, no curso de formação, a opinar e a nos ajudar na gestão”, resume a 1ª Subdefensora Pública-Geral, que tomou posse do cargo de defensora pública do estado em 2016.

O entusiasmo, de fato, está presente na fala das(os) novas(os) defensoras(es), como é o caso da capixaba Ingrid Lima Vieira, de 29 anos. “A gente está muito animado, principalmente com o aspecto prático. Temos a perspectiva de enxergar a atuação prática da Defensoria, que a gente não conhece, principalmente quem é de fora do Paraná. Conhecer também um pouco sobre como vai ser no interior, as novas comarcas e novos ofícios que estão abrindo agora, comarcas que ainda não tinham Defensoria. Então a gente tá bem curioso para conhecer esse aspecto prático mesmo. O pessoal tá bem animado”, resume a nova defensora.

"Quando a gente vê a vitalidade, a energia com que as e os colegas novos chegam, a gente se lembra do porquê estamos aqui, de como é bonita a nossa carreira e da diferença que a gente pode fazer na vida das pessoas."

(Olenka Lins e Silva - 1ª Subdefensora Pública-Geral)

Conhecer aspectos práticos da DPE-PR durante quase um mês de curso também é o objetivo do paranaense Ricardo Alves de Góes. “A expectativa com o curso é aprender a prática da instituição e a estruturação das sedes, aprender mais sobre os atendimentos e os órgãos da instituição, para que eu possa contribuir com a sociedade de uma forma mais eficiente e atender aos assistidos da melhor forma”, explica. Aos 29 anos, ele chega ao cargo de defensor público do Paraná após ter estagiado na DPE-PR entre os anos de 2013 e 2014, quando a instituição ainda tinha atuação apenas na capital do estado. “Houve algumas mudanças na instituição nestes dez anos, então quero me atualizar sobre os sistemas, sobre como a instituição está estruturada atualmente”.

Durante a tarde, o curso contou com uma palestra do defensor público do Amazonas, Maurilio Casas Maia, especialista em “Custos Vulnerabilis” ou “Guardião dos Vulneráveis”. “É um tema relativamente recente na atividade da defensoria pública, tem menos de dez anos. É um debate sobre a atuação interventiva da Defensoria Pública, ou seja, a Defensoria Pública, além de representar o necessitado, o hipossuficiente, ela também pode falar em nome próprio para beneficiar uma coletividade de pessoas que precisam”, explica o defensor, autoridade no tema no país. 

Debates com este devem permear as próximas semanas das(os) 40 novas(os) defensoras(es) do Paraná, que, ao final do Curso de Formação, devem passar por uma série de mutirões de atendimento para conhecerem a realidade paranaense e estarem mais próximas(os) da população.

No curso, eles e elas irão visitar as sedes da instituição na capital e acompanhar atendimentos à população, inclusive visitar algumas unidades penais na região metropolitana de Curitiba, participar de mutirões de atendimento jurídico e conhecer os setores que compõem a administração da DPE-PR, como Departamento de Recursos Humanos, Departamento de Informática e Coordenadoria Jurídica, além de conhecer o trabalho da Ouvidoria Externa, das associações de classe de defensores(as) e servidores(as), e passar por um treinamento de mídia (media training) da Assessoria de Comunicação, entre outras atividades. 

 

GALERIA DE IMAGENS