• Twitter
  • Facebook
  • Flickr
  • Youtube
  • Flicker

Defensoria

15/10/2020

Dia do Professor: Defensor Público-Geral do Estado traz uma importante reflexão sobre a importância dos professores na era dos avanços tecnológicos

Em decorrência da pandemia do novo coronavírus, este ano mais do que nunca, o Dia do Professor nos convida a refletir sobre o papel e a importância do professor nesta era de grandes avanços tecnológicos. Embora já tivéssemos entrado há um tempo na realidade do EAD, o fato é que a pandemia trouxe uma necessidade de nos adaptarmos ao mundo virtual de forma muito mais contundente. Porém, apesar da necessária migração e adaptação às formas virtuais de ensino, as aulas presenciais têm peculiaridades que permitem que o aprendizado e a troca de informações entre alunos (as) e professores (as) sejam mais dinâmicos e completos. Além disso, temos de ficar atentos para a questão da dificuldade de acessibilidade das pessoas às formas virtuais. Portanto, ao mesmo tempo em que não deixo de ser um entusiasta dessas novas ferramentas de ensino, também considero que o ensino presencial deve ser a prioridade. Quanto aos livros digitais, penso que é mais uma questão de adaptação do leitor. No meu caso, tenho maior dificuldade em ler por meios digitais, por isso ainda tenho o costume de ler, em regra, livros impressos. Sem contar que tenho um carinho muito grande pelo meu acervo de livros e gosto de ler tendo contato e manuseando a obra. Mas, como disse, isso está mais na esfera pessoal, porque o livro digital é sim uma extraordinária ferramenta, que facilita o acesso à leitura e também contribui para a redução de impressão de papel, o que também é muito relevante. Mas, seja pelo meio virtual ou pelo presencial, o professor será sempre figura central no nosso processo de democratização do ensino, que acaba refletindo na construção de uma sociedade menos desigual e mais justa. Sou grato a todos (as) os (as) professores (as) com os quais adquiri o conhecimento que me fez - e me faz - trilhar meu caminho profissional e, até mesmo, pessoal. E, sinto-me muito “privilegiado” por, há quase 18 anos, também exercer o magistério e buscar contribuir para que meus (minhas) alunos (as) se aperfeiçoem e possam trabalhar por um mundo melhor e mais humano.

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.