• Twitter
  • Facebook
  • Flickr
  • Youtube
  • Flicker

Defensoria

07/05/2019

NUDEM participa do lançamento da campanha #EmDefesaDelas

O lançamento da campanha nacional #EmDefesaDelas: defensoras e defensores públicos pela garantia dos direitos das mulheres foi realizado na sexta-feira (03), no vão livre no Museu de Arte de São Paulo (MASP). O evento teve como objetivo apresentar à população o trabalho da Defensoria Pública em prol das mulheres necessitadas.

A defensora pública auxiliar do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos das Mulheres (NUDEM), doutora Patrícia Rodrigues Mendes, esteve presente no evento.  “A escolha do tema revela o reconhecimento da importância deste para defensoras e defensores públicos, enquanto agentes de transformação da sociedade”, conta.

No dia, foram distribuídas cartilhas, tratando dos principais temas da campanha, como violência doméstica, violência obstétrica, mulheres no cárcere e mulheres em situação de rua e, assim, foram realizados atendimentos jurídicos das pessoas interessadas. Além disso, foi feita uma reunião do Conselho Superior da Defensoria Pública de São Paulo, em que o momento aberto foi utilizado por várias entidades, aproximando a instituição da população.

O evento, ainda, contou com a exposição fotográfica “Mulheres atingidas: da lama à luta”, composta por 24 imagens de mulheres atingidas pelo rompimento das barragens nas cidades de Brumadinho e Mariana, estas que causaram destruição socioambiental em Minas Gerais e Espirito Santo.

O evento foi promovido pela Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (ANADEP), com apoio da Associação Paulista de Defensores Públicos (APADEP), da Defensoria Pública do Estado de São Paulo (DPE-SP) e do Colégio Nacional de Defensores Gerais (CONDEGE).

Por se tratar de uma campanha nacional, todos os Estados farão ações e desenvolverão atividades relacionadas ao tema. No Paraná, o NUDEM, em parceria com a Associação dos Defensores do Paraná (ADEPAR) e apoio da Escola do Legislativo, realizará o evento “Violência obstétrica, direitos sexuais e reprodutivos” no dia 24 de maio, das 9h às 11h, na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP).

Números

O Brasil é o 5° país com a maior taxa de feminicídio. Segundo dados do Mapa da Violência 2015, entre 1980 e 2013, mais de 106 mil brasileiras foram vítimas de assassinato. Só em 2013, por exemplo, a média de homicídios femininos ficou em 13 por dia. Em 2018, foram mais de 90 mil queixas registradas no 180, canal telefônico gratuito e exclusivo para denúncias dessa procedência.

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.