• Twitter
  • Facebook
  • Flickr
  • Feed RSS

Defensoria

04/07/2018

Defensoria realiza Cinedebate para discutir transgeneridade

Na última sexta-feira (29) a Escola da Defensoria (EDEPAR) em parceria com o Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher (NUDEM) e o Núcleo de Direitos Humanos (NUCIDH), realizou o Cinedebate, uma iniciativa que busca capacitar servidores e estagiários sobre temas pontuais. Neste evento a discussão foi sobre a transgeneridade, por meio do documentário “De gravata e unhas vermelhas”. O tema foi escolhido para comemorar o Dia Internacional do Orgulho LGBT, celebrado em 28 de junho.

A decisão do Conselho Nacional de Justiça, de autorizar a troca de nome e gênero em certidões de nascimento ou casamento de transgêneros, prevendo também que a alteração seja feita em cartório sem a obrigatoriedade de comprovação da cirurgia de mudança de sexo, nem de decisão judicial, também foi importante para realização do evento.

Para a coordenadora do NUDEM, Eliana Tavares Lopes, a temática escolhida necessita de um debate mais amplo. “A vulnerabilidade dessa população pede que o tema seja explorado. Temos terminologias e questionamentos que nem nós que estudamos o tema temos conhecimento. É uma discussão multidisciplinar, fugindo também do viés jurídico”, explica ela.

Como mediador o evento teve Matheo Bernardino, psicólogo e pesquisador da área. Para ele, a iniciativa da instituição em levantar o tema mostra o aumento da importância que essa população esta tendo. “É extremamente importante a abertura para este diálogo, é preciso que as instituições entendam que a pessoa trans tem também os seus direitos”.

Segundo a auxiliar do NUDEM, defensora Patrícia Mendes, a Defensoria atua diariamente em matérias do grupo trans e o debate é uma oportunidade dos próprios defensores aprenderem mais e entenderem as demandas desta área.

Quanto a participação do NUCIDH no evento, o auxiliar do núcleo, defensor Wisley dos Santos, destaca que o debate é uma oportunidade de fortalecer a luta política pelo grupo, desenvolvendo conversas onde as pessoas passem a ser mais tolerantes com eles.

 

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.