• Twitter
  • Facebook
  • Flickr
  • Feed RSS

Defensoria

15/05/2018

Pró-mulher participa de reunião da Comissão dos Direitos da Mulher do Condege e Anadep

Na última sexta-feira (11), a coordenadora do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria Pública do Estado do Paraná (Pró-Mulher), Eliana Lopes e a defensora pública auxiliar do Pró-Mulher, Patrícia Mendes participaram das reuniões da Comissão dos Direitos da Mulher do Colégio Nacional de Defensores Públicos Gerais (Condege) e da Associação Nacional dos Defensores Públicos (Anadep) em São Paulo. Os encontros aconteceram na sede da Defensoria Pública do Estado de São Paulo.

Durante a reunião da Anadep, foi apresentada a nota técnica do núcleo para projetos de lei contra o aborto em trâmite no Congresso. Também foi analisado a ação em trâmite no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a laqueadura em mulheres e a dispensabilidade de autorização do companheiro, em que o Pró-mulher busca entrar como amicus curiae.

Durante a reunião do Condege, a defensora apresentou o Pró-mulher, que foi elogiado por sua formatação. Na Defensoria Pública do Paraná, a designação do defensor para a coordenação do núcleo é exclusiva, permitindo a atuação dedicada e estratégica. “Nesse aspecto percebemos que o nosso núcleo está numa estrutura bem avançada em relação a outras defensorias, com ações individuais estratégicas”, afirmou a defensora.

Para a dra. Eliana Lopes, a participação do núcleo nessas reuniões são muito importantes para conhecer a experiência de outras defensorias, exercendo uma atuação mais estratégica enquanto grupo, não mais como um núcleo individual. “Tivemos contato com essas mulheres que estão há muito tempo já na luta, em prol dos direitos feministas e na temática de gênero”.

Para a dra. Patrícia Mendes, considerando que o Núcleo da Mulher é bastante recente na Defensoria Pública do Paraná, o encontro foi uma boa oportunidade para alinhamento de estratégias e pautas na defesa dos direitos da mulher. "Foi possível notar que algumas dificuldades que encontramos no Paraná também já foram encontradas em outros locais, e foram superadas depois de diálogo e diversas medidas de atuação estratégica", analisa a defensora auxiliar do Pró-Mulher.

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.